Pensamento do Dia

O coração tem razões que a razão desconhece. (Pascal)

Visitantes

HojeHoje53
OntemOntem349
Nesta semanaNesta semana821
Neste mêsNeste mês9237
GeralGeral312940
Para a Barra, motoristas enfrentam 7h de engarrafamento por dia

 

engarrafamento

 

A Barra parece estar cada dia mais longe da Zona Sul. Os quilômetros de distância continuam os mesmos, mas vencê-los leva cada vez mais tempo — seja de dia ou até de madrugada. por causa do congestionamento das rotas para o bairro. De segunda a sexta-feira, o trânsito não dá trégua: são pelo menos sete horas diárias de rush, sem contar os engarrafamentos noturnos provocados pela interdição simultânea dos túneis Zuzu Angel e do Joá.

Nesta quarta-feira, motoristas rumo à Barra já enfrentavam problemas às 7h, com alívio apenas às 9h. No entanto, o sufoco logo voltou: às 15h30m filas de carro se formavam na altura do Supermercado Zona Sul, em São Conrado, chegando à altura da Rocinha meia hora depois. Às 17h30m, os reflexos alcançavam as vias da Lagoa e do Jardim Botânico. O congestionamento costuma continuar até, pelo menos, 19h30m.

Para o diretor de operações da CET-Rio, Joaquim Dinis, a única iniciativa que acabará de vez com o problema é o “transporte público de qualidade”.

— Para essa rota, o metrô é que vai fazer a diferença. O que a gente faz enquanto não chegam essas soluções é colocar operadores de trânsito, instalar reversíveis, investir para informar o motorista e colocar reboques — explicou.

LEIA MAIS: Saiba como está o trânsito nesta sexta-feira

Quem precisa vencer o trajeto faz o que pode para se distrair. Parado na Rua Mário Ribeiro, na Gávea, no sentido São Conrado, Rui Silva Cardoso ouvia o noticiário esportivo no rádio, ontem, por volta das 18h30m. Já Daniele Moreira, que trabalha no Centro e mora no Recreio, lia as manchetes do jornal. Ambos concordam que o horário de volta para casa é o mais complicado, o que é comprovado pelos números da CET-Rio: anteontem, passaram 44.811 veículos pela Lagoa-Barra. Mais de 8%, entre 18h e 19h.

— Não levo menos de duas horas para chegar em casa. É como viajar para outro município — reclamou Daniele.

O taxista João Otávio Santos diz que o engarrafamento está cada dia pior:

— O problema é quando a via fica mais estreita, diminuindo o número de faixas. Isso ocorre na entrada dos túneis.

Segundo a CET-Rio, o pico da Autoestrada Lagoa-Barra no sentido Zona Oeste costuma ser entre 8h30m e 10h. O motivo, segundo Dinis, é a reversível do Elevado do Joá, ativa das 6h30m às 8h30m, que ajuda a amenizar o trânsito para os motoristas que seguem da Barra para a Zona Sul. Assim que a reversível termina, quem vem no sentido contrário já está a postos para não pegar engarrafamento, o que acaba tendo o efeito contrário.

O maior gargalo da autoestrada , no sentido Barra, é o afunilamento de pistas perto da entrada para o Joá. Ali as duas pistas de baixo e as duas de cima se juntam para, no elevado, virarem duas. Nos túneis também há apenas duas faixas. Por isso, na chegada à Barra, onde há quatro faixas, o engarrafamento costuma acabar.

Os recorrentes acidentes na região também são motivo para congestionamento. Um levantamento feito por técnicos do órgão mostra que, só neste mês foram 105 acidentes nas vias que afetam o fluxo da Lagoa-Barra. Vinte e um deles foram colisões com motos, o que normalmente quer dizer que há vítimas e, por isso, bombeiros e perícia. Ou seja, mais engarrafamento.

Dinis acredita que a explosão na compra de motocicletas é um problema para o bom andamento do trânsito. Um levantamento no site do Detran mostra que nos últimos 12 meses, o número de motos na cidade aumento 8,8%. No mesmo período, a quantidade de carros de passeio circulando aumentou 3,5%.

Engarrafamento influencia escolha de moradia e trabalho

O trânsito para chegar à Barra influencia escolhas de estilo de vida. O empresário Rodrigo Alves morou a vida toda na Zona Sul, mas há um ano e meio mudou-se para a Barra, por insistência da mulher, que trabalha no bairro. Ela queria ver mais os filhos, mas não conseguia, por ficar quase quatro horas por dia presa no engarrafamento. Hoje, ele sofre para chegar ao seu escritório em Botafogo.

- Ultimamente tem estado pior. Eu demoro mais tempo para vir para Botafogo da Barra do que para voltar. Eu na segunda-feira demorei 2h15. Saio do escritório às 20h, então não costumo pegar tanto congestionamento na volta – conta Rodrigo.

Pedro Rego Monteiro, 37, é dono de uma empresa de marketing esportivo no Shopping Downtown, mas mora no Leblon. Para ir para seu escritório, por volta das 9h, costuma ficar 50 minutos dentro do carro. Na volta, escolhe sair bem tarde para não ter que sofrer .

- Nunca saio antes de 21h, 22h, em parte porque há muito trabalho, mas muito por causa do engarrafamento. Prefiro continuar no escritório do que voltar para casa e enfrentar o congestionamento tipo Globo: você sabe que tá ferrado quando começa a ver a galera do biscoito Globo – brinca o empresário.

Segundo ele, não há um processo de seleção de sua empresa em que o assunto trânsito não seja mencionado. Ou é um morador das zonas Sul e Norte que reclama da localização, ou um habitante da Zona Oeste ressaltando o fato como ponto positivo. Monteiro começa a cogitar mudar seu escritório para a Zona Sul, mas o assunto é motivo de discórdia na empresa, já que mais de metade dos funcionários mora na Zona Oeste.

- Está rolando uma pressão. Um deles falou que, se eu concordar em ficar na Barra, ele concorda em não ter aumento até 2016 – conta.


Fonte: Globo